Editorial

O Brasil na Série B

18 de Novembro de 2017 - 05h00 0 comentário(s) Corrigir A + A -

Os dois anos do Brasil na Série B do nacional ajudaram o clube a compreender como funciona o campeonato, quais são as principais dificuldades e o que precisa ser feito para, no mínimo, permanecer na lista das 40 equipes mais destacadas do país. Tempo suficiente também para os dirigentes pensarem algumas questões, levantadas até pelos apaixonados torcedores rubro-negros. Entre elas, como planejar o time para a próxima temporada, quando, novamente, viajará pelo país durante os vários meses da competição.

A organização leva ainda a outro tema importante: afinal, o Brasil deseja eternizar sua participação da Série B ou, num período curto, lutar na parte de cima da tabela por uma das quatro vagas ao acesso? Essa, na verdade, é a meta norteadora de todo o trabalho. De olho nela, estruturar a base, aumentar o número de sócios, atrair patrocinadores, reforçar o grupo, ter capacidade financeira para pagar melhor os atletas, enfim, crescer em todos os setores. São os pilares de um planejamento que precisa ser feito, de forma profissional. E isso ninguém precisa dizer aos dirigentes.

Não se faz futebol sem dinheiro. Mais ainda, não se faz bom futebol sem dinheiro. As raras exceções surgem, vez ou outra, mas não “sobrevivem”. O Novo Hamburgo, atual campeão gaúcho, por exemplo, desmanchou todo o time após o encerramento do campeonato e terá de recomeçar do zero sua participação no estadual do ano que vem.

E aqui reside outro dilema de um clube do tamanho do Brasil, grande para a sua torcida, mas que ainda não consegue fechar contratos milionários se comparado a outras agremiações esportivas do país, bem maiores. Afinal, qual a fórmula para aumentar a receita e projetar um futuro mais saudável financeiramente? Contar com o sócio é fundamental, embora sozinho ele não pague as contas que devem ser saldadas todos os meses. O certo mesmo, e isso vale para qualquer time, é que quanto mais o Brasil chamar a atenção através dos resultados em campo, maior será a possibilidade de fechar bons negócios.

Ao vencer o ABC na última terça-feira à noite por 3 x 0, o Xavante garantiu sua permanência na Série B em 2018 e pode terminar entre os dez melhores. E com a vaga reforçou a necessidade de planejar ainda mais seu futuro, que começa logo após a última partida do campeonato, nos próximos dias.

A fórmula usada até agora deu certo, mas com riscos que podem ser evitados.


Comentários

Diário Popular - Todos os direitos reservados