Luto

Investigação da morte de Marielle é marcada por incógnitas

Poucas informações foram divulgadas até o momento e as autoridades continuam investigando o caso

15 de Abril de 2018 - 22h19 Corrigir A + A -

Agência Brasil

Câmara dos Deputados realiza sessão solene para celebrar Dia Internacional do Direito à Verdade (Foto: Marcelo Camargo)

Câmara dos Deputados realiza sessão solene para celebrar Dia Internacional do Direito à Verdade (Foto: Marcelo Camargo)

Um mês depois do assassinato da vereadora Marielle Franco (PSOL-RJ) e do motorista Anderson Gomes, ninguém foi identificado como mandante ou mesmo executor do crime. Poucas informações foram divulgadas até o momento e as autoridades continuam investigando o caso.

O ministro interino da Defesa, general Joaquim Silva e Luna, afirmou que a investigação "está avançando, mas essas informações estão todas restritas à polícia que está fazendo a investigação". As primeiras pistas foram imagens das câmeras de segurança espalhadas pelo trajeto percorrido por Marielle e Anderson até a rua onde foram mortos, mas exatamente no local há um "ponto cego" das câmeras, que não gravaram o momento do assassinato.

A polícia chegou a apreender um carro em Ubá (MG) que poderia ter sido usado no crime, o que depois foi descartado. As balas recolhidas no local do crime foram analisadas. Identificou-se que a maior parte teria sido roubada de um carregamento da Polícia Federal há alguns anos, como anunciou o ministro extraordinário da Segurança Pública, Raul Jungmann. Até agora, não foi divulgado o resultado da análise das munições.

Integrante do Conselho Nacional dos Direitos Humanos (CNDH) e da organização Justiça Global, Sandra Carvalho, diz que há indícios de que as balas do mesmo lote já teriam sido utilizadas em chacinas e outras situações criminosas anteriores ao caso de Marielle. "Isso requer uma situação muito rigorosa também, porque pode ser um elemento muito importante para desvendar esse crime e vincular com outros, podendo até levar a uma teia criminosa que possa estar articulada."

Sandra Carvalho, que integra comissão criada pelo CNDH para acompanhar o caso, critica que a falta de controle de armamentos contrasta com o fato de o Rio de Janeiro ser "uma cidade com um armamento absurdo". "A gente tem uma polícia muito armada e também há forças criminosas muito bem equipadas, o que é fruto de corrupção, de entrada de armas clandestinamente no país, mas isso é raramente investigado."

Em nota, a Anistia Internacional voltou a cobrar resposta das autoridades. "O Estado deve garantir que o caso seja devidamente investigado e que tanto aqueles que efetuaram os disparos quanto aqueles que foram os autores intelectuais deste homicídio sejam identificados. Caso contrário envia uma mensagem de que defensores de direitos humanos podem ser mortos e que esses crimes ficam impunes", destacou a organização.


Comentários


Diário Popular - Todos os direitos reservados