Arte na rua

Convívio urbano

Espetáculo Cidade proibida, que promove a ocupação de espaços públicos à noite, terá apresentação nesta quarta-feira em Pelotas

10 de Abril de 2018 - 10h33 Corrigir A + A -
Doze artistas participam da montagem que envolve dança, teatro e circo (Foto: Divulgação - DP)

Doze artistas participam da montagem que envolve dança, teatro e circo (Foto: Divulgação - DP)

Ao invés de ocupar o interior do teatro, a Cia Rústica propõe habitar o espaço urbano numa composição afetiva com a cidade. Essa prática ocorre desde 2012 com um espetáculo de rua que já circulou por diversos municípios brasileiros. Através do Programa Petrobras Distribuidora de Cultura 2017/2018, o grupo porto-alegrense apresenta a montagem Cidade proibida nesta quarta-feira (11) no largo Edmar Fetter, incluindo na visita a Pelotas uma oficina e um encontro aberto com grupos locais.

O projeto, segundo a diretora Patrícia Fagundes, foi concebido em um momento de grande mobilização para ocupar, à noite, praças e parques com atividades culturais, como saraus, piqueniques e festivais. A proposta da companhia veio a somar ao movimento da capital, numa forma de reinventar a ameaça da violência e a degradação dos espaços coletivos, funcionando também como um manifesto. 

Desta forma, Cidade proibida nasceu como um espetáculo-intervenção. Reúne dança, teatro, circo e música em locais pouco usuais para apresentações artísticas. Patrícia não gosta de definições, como “espetáculo de dança” ou “espetáculo teatral”. “A cena contemporânea é um espaço de expressão. As próprias diferenças entre as linguagens se tornam muito borradas”, comenta a diretora.

A mistura fértil entre diferentes manifestações oferece números individuais e coletivos de 12 artistas da companhia, que interagem sobre uma estrutura cenográfica fixa. É uma longa plataforma na qual o público acomoda-se ao redor. “A festa está na rua, está na praça, afeta o espetáculo e afeta as cidades que a gente vai”, revela.

Ao longo de cinco anos de apresentações, o espetáculo foi se atualizando conforme os acontecimentos do país. “A gente adapta algumas frases ou passagens. Parece que vai ficando mais presente, mais contemporâneo. Quando aconteceu a lama de Mariana [tragédia que assolou a cidade mineira em 2015], incorporamos o fato”, revela Patrícia. A encenação conta com tradução simultânea em libras.

Extras
Além do Cidade proibida, a Cia Rústica propõe um encontro aberto com os grupos de teatro de Pelotas nesta terça-feira, às 19h30min, no Casarão 2 da praça Coronel Pedro Osório (Secult). “Não queremos somente passar o espetáculo, mas também trocar perspectivas e ideias, estabelecendo redes de intercâmbio”, acredita a responsável.

Já na quinta-feira, das 9h às 13h, o grupo oferece a oficina Conexões Urbanas no Tablado da UFPel (rua Almirante Tamandaré, 301). Durante o período serão desenvolvidas ações práticas que posteriormente, no mesmo dia, serão levadas para a rua, a fim de interagir com o público. Toda programação é gratuita.

O Quê: espetáculo Cidade proibida, da Cia Rústica

Quando: quarta-feira, às 20h

Onde: largo do Mercado Central

Duração: 70 minutos

Entrada franca


Comentários


Diário Popular - Todos os direitos reservados