Programa

Pacto Pelotas Pela Paz completa seis meses de implementação

Projeto do Executivo é composto por ações de enfrentamento e prevenção à criminalidade

11 de Fevereiro de 2018 - 19h03 Corrigir A + A -

Por: Redação
web@diariopopular.com.br

Projeto dá mais poder para a Guarda Municipal (Foto: Divulgação - DP)

Projeto dá mais poder para a Guarda Municipal (Foto: Divulgação - DP)

Em meio a polêmicas, o programa Pacto Pelotas Pela Paz, da prefeitura municipal, completou neste domingo (11) seis meses de implementação. Com ações de enfrentamento e prevenção à criminalidade, ele se tornou um dos principais eixos do Executivo local.

Os tradicionais comboios e barreiras da Operação Integrada continuam a ser a principal tática do eixo Policiamento e Justiça para reduzir os indicadores de criminalidade, mas a Prefeitura pretende agir cada vez mais em ações educativas. O trabalho engloba desde a proteção das crianças, cujos pais saem da maternidade com a certidão de nascimento na bolsa, até a capacitação de servidores para ampliar as metodologias empregadas na primeira infância e o resgate de jovens em situação de vulnerabilidade social. O pacote multidisciplinar inclui ainda o oferecimento de ações de ressocialização de apenados para diminuir a reincidência ao crime, como a construção da unidade local da Associação de Proteção e Assistência aos Condenados (Apac).

O programa Cada Jovem Conta chegará a outros 14 microterritórios, onde as escolas serão o ponto de partida para acionar a rede de proteção social responsável pelo afastamento de estudantes de situações ligadas à violência. Aqui, o Banco de Oportunidades é uma peça chave que tem contado com o apoio do empresariado para inserir alunos no mercado de trabalho, e também de instituições que os incluem em oficinas, cursos e atividades esportivas.

Controvérsia
Entre a população da cidade, há visões mistas acerca do projeto. Há parcela que, apesar de compreender a importância do combate à violência em cidade que no ano passado bateu recorde no número de homicídios, discorda do poder dado à Guarda Municipal (GM). Existem tabém críticas ao código de convivência, um dos braços do Pacto pela Paz. Ele prevê, entre outros itens, a proibição do consumo de bebidas alcoólicas em via pública após as 22h. O projeto deve ser votado na Câmara dos Vereadores ainda no primeiro semestre.


Comentários


Diário Popular - Todos os direitos reservados