Esperança

Obras e promessa de mais água para o Laranjal

Com dois projetos em andamento, que devem ficar prontos antes do verão, Sanep acredita que irá amenizar o desabastecimento na praia

12 de Outubro de 2017 - 13h15 Corrigir A + A -

Por: Tânia Cabistany
taniac@diariopopular.com.br 

Célia vive no Valverde e costuma estocar água (Foto: Paulo Rossi - DP)

Célia vive no Valverde e costuma estocar água (Foto: Paulo Rossi - DP)

O Sanep tem expectativa de que o abastecimento de água no Laranjal finalmente possa melhorar no próximo verão, com a realização de duas obras em andamento, que deverão estar prontas antes do início da temporada, quando a população aumenta significativamente nas praias. Em decorrência dos trabalhos, no entanto, ocorreram dois episódios que deixaram os moradores do Areal Fundos, Vasco Pires, Obelisco e Laranjal sem água na última quinta-feira e novamente no fim de semana.

A dona de casa Célia Maria Neitch, 54, reside no balneário Valverde e sua casa não tem caixa d’água. Juntar água em bombonas quando corre pelas torneiras já se tornou rotina para ela e o marido João Luiz. “É um sacrifício que a gente passa, principalmente no verão. Temos sempre que juntar para beber e fazer comida. Já estamos acostumados. Banho não tem como se tomar muitas vezes”, conta. O jardineiro Willy Brown Júnior, 66, vive no Santo Antônio e passa pelo mesmo dilema. Sem reservatório em casa, seguidamente fica sem água. “Pelas 8 (20h) já não tem mais e só volta de madrugada. Parece até que desligam”, fala.

Conforme o diretor-presidente do Sanep, Alexandre Garcia, uma subadutora está em construção a partir do booster da avenida Dom Joaquim até o Reservatório 8 (R8), situado na rua Mário Peiruque. Essa obra visa melhorar o abastecimento no Areal Fundos e no Laranjal. O R8 tem capacidade de armazenar 4,5 milhões de litros de água. Dele parte uma adutora de 400 milímetros até o R15, localizado na entrada do Laranjal, capaz de armazenar três milhões de litros. Em paralelo está sendo feita outra subadutora, de 300 milímetros, da avenida Domingos de Almeida ao R8. Com isso o abastecimento do Laranjal ficará exclusivo.

O motivo
Garcia explica que para fazer o entroncamento da rede é preciso secar o reservatório, por isso o Areal Fundos e o Laranjal ficaram sem água o dia inteiro na quinta-feira. O fornecimento normalizou, segundo ele, na sexta. No sábado houve um incidente. Foi rompido um registro, que caiu e fechou toda a circulação de água para a praia. Foi necessário esvaziar o reservatório novamente para retirar a peça. Por volta das 13h de domingo o Sanep voltou a bombear água aos balneários, passando a regular pelo R15 e não mais pelo R8, que ficou sem o registro, até ser consertado. Por se tratar de peça muito antiga, o reparo demora.

A também dona de casa Genessi Nogueira Luche, 62, tem duas caixas d’água na sua residência, no Valverde. Mas quando falta ela enfrenta o problema na parte dos fundos do imóvel, não abastecida pelos reservatórios. Depois dos últimos dias decidiu que irá colocar uma terceira.

Conforme Garcia, há uma série de ações previstas para o Laranjal, não somente as duas subadutoras em construção. A substituição de redes está no cronograma e vai começar pela avenida Espírito Santo, que transfere o abastecimento de uma ponta à outra do Laranjal.

Ele garante que nenhum dos dois reservatórios da praia é desligado. Um está localizado na segunda entrada do Santo Antônio e outro na bifurcação do Balneário dos Prazeres, onde vai para a Colônia Z-3, também abastecida por esse. Ambos operam 24 horas, com funcionários de plantão em sistema de rodízio.

Centro ficou sem água
A interrupção do fornecimento no centro da cidade, na terça, teve outro motivo: a rachadura em uma adutora, durante a manutenção no canal Santa Bárbara, que gerou problema na saída do canal até o R4, próximo ao Clube Brilhante. O trabalho foi concluído à noite e o abastecimento retomado por gravidade, para primeiro encher a tubulação.


Comentários


Diário Popular - Todos os direitos reservados